quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Semana da Comunidade Adventista é estabelecida por Lei do Vereador Reis na Cidade de São Paulo

Crédito das Fotos:

  Gute Garbelotto / CMSP

29 de outubro de 2014 entra para história da cidade de São Paulo como a data em que se comemorou pela primeira vez a Semana Municipal da Comunidade Adventista. A Câmara Municipal realizou sessão solene alusiva à data, que passa a ser celebrada anualmente na última semana do mês de outubro.
A criação da Semana Municipal da Comunidade Adventista foi possível após a aprovação do Projeto de Lei 884/2013, de autoria do Vereador Reis (PT/SP), que promulgado pelo presidente da Câmara Municipal de São Paulo, transformou-se na Lei nº 16.069, de 4 de setembro de 2014.
A solenidade homenageou representantes da comunidade adventista, entre eles os pastores Luiz Carlos Araújo, Erlon Braun e Sidionil Biazzi e teve a participação do Quarteto Ministry, da Orquestra de Sinos do Unasp (Centro Universitário Adventista de São Paulo), do cantor adventista Daniel Lutdke e da banda da Guarda Civil Metropolitana.
Ao conceber e propor um projeto de lei para ser apreciado pela Câmara Municipal, Reis teve a intenção de reconhecer e homenagear os membros da Igreja Adventista por seu papel no desenvolvimento principalmente nos bairros de Campo Limpo, Capão Redondo e M’Boi Mirim, localizados na zona sul da cidade, e por seu papel na divulgação dos preceitos da Bíblia. O vereador também reconheceu a formação cristã adventista que recebeu no berço, no seio familiar formado por seus pais e irmãos, educação que hoje o diferencia no serviço público, ao posicionar sua atuação na representação dos munícipes dentro dos limites da ética, do respeito e da honestidade, valores tão importantes, mas que são frequentemente abandonados.
Para o pastor Luiz Carlos Araújo, presidente da Associação Paulista Sul da Igreja Adventista do Sétimo Dia, a sessão solene serve para coroar o importante trabalho realizado pela Igreja, que atende cerca de 300 mil pessoas anualmente. “Foi uma surpresa quando recebemos a notícia, ficamos muito felizes e emocionados com a disponibilidade do vereador Reis de fazer essa homenagem que a gente reconhece como justa frente aos serviços prestados pela Igreja Adventista na cidade de São Paulo”.
Atualmente a Igreja Adventista está presente em 206 países e figura entre as 10 maiores do estado de São Paulo. O evento mobilizou cerca de 500 pessoas.
Fonte: www.vereadorreis.com.br

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Embaixador Robert Seiple é reconduzido à presidência da IRLA

                                                                                                                                    Por John Graz

No domingo, 12 de outubro de 2014 os membros do Conselho de Administração IRLA  reelegeram o embaixador Robert Seiple como presidente da IRLA. Em seu relatório, o secretário-geral da IRLA, Dr. John Graz, agradeceu ao Embaixador Seiple por sua liderança durante os últimos anos, destacando a importância de continuar o que está dando certo.

Dr. Graz fez um relatório sobre as atividades da IRLA que incluiu uma série de congressos, simpósios e fóruns realizados nos cinco continentes. Sublinhou que a regularidade dos eventos IRLA tem feito a diferença na promoção da liberdade religiosa. Os exemplos apresentados foram: A 16ª Reunião de Peritos IRLA; o 12º Jantar Anual da Liberdade Religiosa em Washington DC; o programa da IRLA semanal de TV "A fé global e Liberdade".

Graz destacou ainda que a estratégia dos Festivais de Liberdade Religiosa têm proporcionado a promoção pública da liberdade religiosa a um nível nunca antes alcançado e que desde o início já reuniram mais 260 mil pessoas nos cinco continentes. De novembro de 2014 a maio 2015, dez Festivais  acontecerão, reunindo mais de 150 mil participantes.

O Secretário-Geral da IRLA anunciou que o18º Congresso Mundial de Liberdade Religiosa será pela primeira vez em Fort Lauderdale, Florida, de 22-24 agosto de 2017. A IRLA tornou-se uma das ONGs mais ativas na promoção da liberdade religiosa ao redor mundo.

Durante o Conselho de Administração em reunião realizada na quarta-feira, 08 de outubro, o Dr. Ganoune Diop e o advogado Dwayne Leslie apresentaram os relatórios sobre os trabalhos na ONU e no Congresso norte-americano, respectivamente..

Fonte: www.irla.org

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Após 20 dias de cativeiro pastor é libertado na Ucrânia

Sergei Litovchenko, pastor 
da igreja Adventista do 
Sétimo Dia de Horlivka, no 
leste da Ucrânia, 
reencontra-se com a sua 
família após 20 dias de
cativeiro.

A igreja local e os familiares agradecem a todos os adventistas e às pessoas que oraram pela libertação do pastor Litovchenko durante esta dura provação.
“Estamos muito felizes por saber que o pastor Litovchenko está bem de saúde”, disse Garrett Caldwell, porta-voz da Igreja Adventista do Sétimo Dia. “Temos de continuar a trabalhar e orar pela segurança dos nossos ministros e pelos crentes que se encontram em áreas onde existam conflitos.”
Litovchenko foi raptado no dia 27 de setembro quando interromperam o serviço de culto e forçaram os adoradores a dispersar.
Fonte: Ad7 News | ANN

Reflexão sobre religião e política

                                                                                             *GABRIEL NOVIS NEVES
Recente pesquisa nacional nos informa que noventa e sete por cento dos brasileiros acreditam em Deus.

O assunto religião e fé ficam mais expostos no período eleitoral. Todos os candidatos a cargos eletivos fazem verdadeiras peregrinações pelas igrejas e templos: judaicas, cristãs, africanas, muçulmanas, budistas, islâmicas ou outras de manifestações de cultura religiosa.

Não percebem o ridículo que propiciam aos observadores do comportamento humano. Candidatos hipócritas chegam a manifestar aos mais íntimos que vão a esses santuários sagrados apenas na esperança de conseguir uns votinhos.

É deprimente ver ateus e agnósticos tentarem enganar a si mesmos e aos fiéis. Demonstram com essa estúpida atitude que não sabem que o papel do Estado é garantir a plena liberdade de culto.

Tentar impor as regras da sua crença religiosa a todos é uma atitude tão fundamentalista quanto a dos estados islâmicos.

Se um candidato é católico, evangélico, e fala ao seu público, tudo bem. O insuportável é explorar a religião no período eleitoral.

Que religiosos defendam seus princípios é aceitável. Incomoda é quando a manifestação é unilateral.
A subjetividade do outro não é uma doença.

As pessoas têm o direito de combater as coisas mais estúpidas, mas, não impô-las. É a chamada intolerância dos intolerantes.

É delicado decidir até onde vai a liberdade de expressão!

Acreditar na Bíblia não é fundamentalismo, e poucos que a leem não acreditam nela, embora afirmem o contrário. A poesia tem uma linguagem simbólica, e a religião também a usa.

Os conceitos foram criados e podem ou não serem seguidos, pois fé não se discute, respeita-se.

Nossos políticos têm dificuldade de falar com o povo sobre a sua opção religiosa temendo perder votos. Isso é uma bobagem comparando com o oportunismo eleitoral de declarar o que não é nem nunca foi.
No Brasil existem, declarados, cerca de dois milhões de ateus. Para eles Deus não existe. Esse grupo se assemelha muito aos fundamentalistas.

O cristianismo influenciou muito a nossa formação. E a maioria do povo brasileiro é cristã.
O agnóstico não crê em nada, mas é tolerante com outras crenças.

O mundo é dependente da religião. Sejamos prudentes com a razão, que é civilizatória.
No mundo falta tolerância entre as religiões, criando a estupidez silenciosa, que é perigosa. Devemos sempre trabalhar para alargar a tolerância.

As religiões, em geral, têm ideia sobre a vida íntima das pessoas e o Estado não deve se meter nesses assuntos.

Pode haver uma forma de alguém cultivar uma religião e ser mais generoso.

Existem inclusive uns poucos, muito poucos, que apesar de não comungarem de qualquer tipo de religião, são portadores do que é mais importante, uma profunda religiosidade. São pessoas cujo maior lema é respeitar o outro e suas crenças e diferenças de qualquer ordem.

Todas as religiões têm um efeito formador na nossa sociedade por pregarem valores justos.
Disciplinam muito a vida, porém há pilantras entre elas, assim como eles existem em todos os setores da humanidade.

*GABRIEL NOVIS NEVES é médico e ex-reitor da UFMT
Fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=460528

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Advogado da IRLA na América do Sul ressalta que a liberdade religiosa no 3º setor precisa de vigilância

Por Vanderlei José Vianna*

A liberdade religiosa é um direito humano básico assegurado pelas constituições das nações democráticas. Em artigo publicado no jornal Correio Braziliense em 17 de fevereiro de 2014, o vice-presidente da República, Michel Temer enalteceu a liberdade de religião desfrutada no Brasil. Ele citou levantamento feito em 25 países de todos os continentes pela fundação norte-americana Religious Freedom & Business Foundation, que aponta o Brasil na liderança do ranking de país com o índice mais baixo de restrição religiosa. “Somos a nação campeã em matéria de liberdade religiosa, posição garantida em nossa Carta Magna”, comemorou o vice-presidente.  
De fato, a liberdade religiosa, assim como o direito à liberdade de informação e expressão, é uma conquista da sociedade brasileira, como lembrou Michel Temer. Apesar da primeira Constituição, a de 1824, estabelecer a religião Católica como culto oficial do Império, já estabelecia liberdade de culto. Somente a partir da Proclamação da República, a Constituição de 1891 estabeleceu plena liberdade de culto, o que foi seguido pelas demais cartas, culminando com a Constituição de 1988, que explicitou a separação total entre Igreja e Estado como nenhuma outra tinha feito antes.
Ocorre que, diferente do que pensam alguns, a Carta Maior não construiu um muro instransponível entre Religião e Estado.
Nos exatos termos do artigo 19 da Constituição Federal, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;
Muitos deixam de observar a ressalva do artigo 19. Como vemos, a Constituição brasileira não vedou a colaboração entre Igreja e Estado, desde que cada uma não sofra interferências ou embaraços em seu funcionamento. Há que se notar, entretanto, que a eventual colaboração esteja firmada “na forma da lei”.
A Carta Maior não fechou os olhos para o importante papel da religião na vida da comunidade. 

Muro de Separação

Thomas Jefferson foi o primeiro a utilizar o termo “muro de separação entre igreja e estado” em 1802, no sentido de se preservar a independência do Estado e também a independência da religião. Nunca foi seu pensamento que um não pudesse dialogar com o outro ou agir em áreas de finalidade social e de interesse público. No entanto, ainda hoje, alguns são defensores do “muro intransponível”. Desconhecem o verdadeiro princípio da laicidade do Estado. Muitos ativistas confundem o papel do estado laico como se devesse o Estado como ateu e hostil às religiões.
É impossível desconhecer o papel relevante da religião no Brasil, sobretudo na área do terceiro setor, com inúmeras entidades que atuam na assistência social. Impossível fechar os olhos para o relevante papel das escolas confessionais. Levantamento informal da Associação Nacional de Entidades Educacionais Católicas, ANEC, em conjunto com a Associação Brasileira de Entidades Educacionais Evangélicas, ABIEE, aponta que perto de quatro milhões de alunos no Brasil estudam em escolas de caráter confessional, sejam católicas, adventistas, batistas, luteranas, espíritas, judaicas, entre outras.
Na área da saúde, no país atuam mais de 2.100 hospitais filantrópicos e santas casas de misericórdia, a maioria têm como mantenedores uma entidade religiosa, que lhe dão suporte e apontam sua visão e missão. Isso sem contar as inúmeras entidades de assistência social, como creches, lares de idosos, casas de recuperação de drogados, entre outros.
Estas entidades possuem – “na forma da lei” – inúmeras parcerias com o Estado (União, estados, Distrito Federal e municípios) em colaboração saudável para o interesse público, desenvolvendo um irrenunciável papel na moldura da assistencial social do país.
Mais da metade dos atendimentos hospitalares do SUS são realizados por meio destas entidades privadas de saúde de caráter filantrópico, segundo dados da CMB – Confederação Nacional das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Filantrópicos.
No entanto, a democracia deve ficar alerta para inúmeras iniciativas baseadas na visão distorcida do “muro instransponível” que podem criar embaraços para o funcionamento de tais entidades, com reflexos claros no desenvolvimento da religião.
Entidades atentas já identificaram centenas e centenas de projetos de leis tramitando no Congresso Nacional com um viés ideológico e anticlerical que resultarão em interferência e embaraço à saudável liberdade de religião no país até agora desfrutada pelo país.
A democracia não pode deixar passar a oportunidade de garantir a plena liberdade de religião admirada por outras nações do planeta, que é importante, inclusive, para os negócios e para o desenvolvimento social.
Como Thomas Jefferson temos de insistir no lema por ele proclamado: “o preço da liberdade é a eterna vigilância”.
Vanderlei José Vianna, Advogado em Brasília, é consultor jurídico da IRLA na América do Sul (International Religious Liberty Association - Associação Internacional de Liberdade Religiosa)
Fonte: http://artigos.gospelprime.com.br/terceiro-setor-liberdade-religiosa-questao-vigilancia/

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

PASTOR SEQUESTRADO DURANTE CULTO EM IGREJA NO LESTE DA UCRÂNIA


O Pastor adventista Sergei Litovchenko foi sequestrado por homens armados no sábado durante a realização de um culto de comunhão para os membros. 
LÍDERES DA IGREJA CONVOCAM ORAÇÕES ENQUANTO BUSCAM SABER O PARADEIRO DE LITOVCHENKO.
Silver Spring, Maryland, Estados Unidos | Andrew McChesney/Adventist Review

Um pastor adventista do sétimo dia desaparecido depois de ter sido sequestrado por homens armados durante um culto de comunhão sábado passado numa igreja na região controlado por separatistas no leste da Ucrânia, disseram dirigentes denominacionais locais.

Os homens não identificados, que portavam metralhadoras e usavam camuflagem. invadiram a igreja na cidade de Horlivka em 27 de setembro e apreenderam o Pastor Sergei Litovchenko, informou a Associação União Ucraniana. “Eles interromperam o culto e forçaram os fiéis a se dispersar”, declarava um comunicado. “Pediram ao Pastor Sergei Litovchenko que fechasse a igreja, forçaram-no a entrar num carro, e foram-se tomando rumo desconhecido”.

O incidente ocorreu quando o pastor estava liderando a congregação num culto de comunhão na pequena igreja retangular do local. As igrejas adventistas de todo o mundo comemoraram a Última Ceia de Jesus em 27 de setembro, como é habitual no último sábado de cada trimestre.

Os pistoleiros justificaram suas ações dizendo: “Este é território ortodoxo e não há lugar para várias seitas aqui”, relatava o comunicado da Associação. Eles se recusaram a dizer quem eram e que direito tinham de interromper as atividades da igreja, respondendo sem rodeios às perguntas dos membros da igreja, “Não é da sua conta”.

A Associação União Ucraniana estava tentando descobrir o paradeiro do pastor. “Onde ele está e o que aconteceu com ele é desconhecido”, disse Vassily Nichik, diretor do Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Associação União do Oeste Russo, que faz fronteira com o leste da Ucrânia. “Por favor, orem por ele”, apelou em sua página no Facebook.

Esse sequestro é um acontecimento preocupante para a Igreja Adventista no leste da Ucrânia, onde confrontos entre separatistas pró-Rússia e forças do governo ucraniano já mataram mais de 3.500 pessoas desde abril. Separatistas, que apoiam a fé ortodoxa e falaram criticamente do protestantismo como uma seita, detiveram vários membros da Igreja no passado, mas sempre foram liberados rapidamente.

Nenhum adventista do sétimo dia foi ferido ou morto no leste da Ucrânia, onde o conflito se reduziu a um cessar-fogo não muito confiável em 5 de setembro. Apenas um edifício da igreja sofreu grandes danos.

John Graz, diretor do departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista a nível mundial, expressa profunda preocupação com o sequestro e disse que estava confuso sobre por que alguém teria como alvo o pastor. “Nossa igreja é reconhecida oficialmente na Rússia e na Ucrânia, e esperamos que os nossos membros e pastores sejam respeitados pelas autoridades no território do leste da Ucrânia”, disse Graz segunda-feira. “A Igreja Adventista do Sétimo Dia não está envolvida na política, e não entendemos por que deve ser atacada”.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Assista à última parte do debate sobre intolerância religiosa na TVT


Assista a última parte do debate sobre intolerância religiosa no Programa Melhor e Mais Justo da TVT: