terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Pastor continua preso injustamente no Togo


Pastor Antonio dos Anjos Monteiro e outros dois cristãos presos injustamente no Togo devem ser alvo de nossas orações.

Advogados e  defensores de direitos humanos pedem a libertação imediata de um pastor adventista preso no Togo, acusado falsamente.
Antonio dos Anjos Monteiro foi detido em março de 2012 acusado de conspiração e assassinato, depois que um homem togolês o acusou, juntamente com outros dois cristãos.
Antonio dos Anjos Monteiro, mostrado aqui em uma foto de arquivo, está atualmente em uma prisão de Togo.
 O acusador já havia confessado o assassinato de cerca de 20 jovens, alegando que ele trabalhava para um esquema criminoso que era o  tráfico de sangue humano. O homem encontrou Monteiro quando o pastor anteriormente serviam.
Monteiro é natural de Cabo Verde, país de Língua Portuguesa.  Apesar de uma busca policial na casa de Monteiro e na sede da igreja local não encontraram nenhuma prova que o incriminasse.
“A acusação de que um pastor contratou alguém para assassinar meninas e depois traficar seu sangue é bizarro, fantasioso e falso”, disse Todd McFarland, um advogado da denominação.
A pressão pública para resolver uma seqüência de assassinatos em 2011, contribui para que Monteiro continue preso. Antes de sua prisão, grupos de direitos humanos acusaram a polícia togolesa de não fazer o suficiente para resolver os crimes que aconteceram.
 Esta é a  prisão civil de Lomé, onde Monteiro está atualmente preso.
A Igreja Adventista internacional está atualmente trabalhando com o embaixador do Togo para ajudar na liberação de Monteiro.
“O embaixador cordialmente me acolheu e prometeu entrar em contato com funcionários de alto nível do gabinete do presidente para facilitar a liberação do Pastor Monteiro”, disse Ganoune Diop, representante da igreja para as Nações Unidas. Diop, que se reuniu com o embaixador em julho, desde então solicitou uma reunião de acompanhamento.
John Graz, Secretário-Geral da IRLA - International Religious Liberty Association, disse que quer que os governos saibam que um Adventista do Sétimo Dia inocente está enfrentando detenção arbitrária e ele não está sozinho.
“Ele tem milhões de irmãos e irmãs ao redor do mundo prontos para manifestações de apoio. Faremos tudo ao nosso alcance para ajudar libertar Monteiro, e estamos confiantes de que a justiça prevalecerá", declarou Graz.
Há mais de 5.300 membros da Igreja Adventista no Togo, e perto de 880.000 na divisão da igreja na África Ocidental e Central.
Monteiro, que foi inicialmente mantido em confinamento solitário na prisão por 14 dias, já foi transferido para a prisão civil de Lomé, onde detidos preventivamente como ele próprio são mantidos juntos com criminosos condenados.
Apesar de as condições carcerárias serem deploráveis, Graz disse que Monteiro permanece “otimista e com boa saúde.”
O dia 1º de dezembro foi dedicado, no mundo todo, a oração e jejum pela libertação do pastor Monteiro e dos acusados injustamente com ele. 
Vamos continuar em oração para que esse servo de Deus seja libertado.
A igreja em âmbito mundial dedicou o dia 1º de dezembro de 2012 a oração e jejum em prol da liberdade destes irmãos que foram presos. A mobilização continua, que todos continuemos nesse espírito de oração, pois desta forma estaremos contribuindo para consolidar o direito de liberdade religiosa. Compartilhe nas redes sociais.
Postar um comentário